Servicio catalan de transito

Has passat a més velocitat de la permesa per un tram amb radars? T’has saltat un semàfor en vermell per una badada? Saber si la teva infracció s’ha transformat en una multa és més complicat si formes part del 15% dels espanyols que, quan canvien de domicili, no ho comuniquen a la Direcció General de Trànsit (i que, per tant, no reben la notificació a l’adreça correcta).

Contenidos

Consulta les teves possibles multes des de casa

Afortunadament, les noves tecnologies es converteixen en aliades dels conductors gràcies al TEU (Taulell Edictal Únic), una mena de tauler digital que permet saber si el ciutadà té alguna notificació (encara que no sigui de trànsit) de l’Administració.

De la DGT… al teu mòbil

Una altra opció encara més còmoda per estar sempre al dia pel que fa a multes és donant-se d’alta al servei Dirección Electrónica Vial (DEV), que et permet rebre de manera gratuïta un avís al correu electrònic o un SMS al mòbil davant de qualsevol notificació de trànsit. Això sí, per utilitzar aquest servei és necessari tenir un certificat digital o disposar d’un lector de targetes connectat a l’ordinador que permeti fer servir el DNI electrònic.

Amb aquestes eines ja no tens excusa per saber, de forma ràpida i senzilla, si tens o no alguna multa pendent.

L’ App Mapa Continu de Trànsit del Servei Català de Trànsit permet consultar l’estat del trànsit en temps real incorporant les incidències viàries de l’Ajuntament de Barcelona, de la Dirección General de Tráfico en les zones limítrofes i del Govern d’Andorra. En el cas de l’Ajuntament de Barcelona i el Govern d’Andorra també es poden consultar les seves càmeres.
També permet la realització dels tràmits de trànsit com:
– Consulta dels meus expedients
– Identificació de conductor/a
– Pagament de sancions
– Presentació d’al·legacions del procediment sancionador de trànsit
Els objectius són:
– Facilitar l’accés del ciutadà als serveis del SCT des un mitjà mòbil.
– Mitjançant l’ús de codis QR permetre al ciutadà realitzar els seus tràmits relacionats amb els expedients sancionadors de trànsit.
– Donar una visió mòbil del Mapa Continu de Trànsit
– Contribuir a la millora de la seguretat viària i evitar distraccions.
– Aprofitar l’impacte de les noves tecnologies a favor de la mobilitat segura.
Les principals funcionalitats del MCT son:
– Nivells de servei
– Retencions
– Trams d’obres
– Trams amb cons
– Consulta de càmeres
– Consulta de panells de missatge variable
– Nom de carreteres
– Consulta de les restriccions del transport de mercaderies
– Consulta de la xarxa d’itineraris de mercaderies perilloses, XIMP

Realizar el pago y la consulta de las sanciones de tráfico

  • Real Decreto Legislativo 6/2015, de 30 de octubre, por el que se aprueba el texto refundido de la Ley sobre Tráfico, Circulación de Vehículos a Motor y Seguridad Vial. (BOE núm. 261 publicado el 31/10/2015)
  • Corrección de errores del Real Decreto 2822/1998, de 23 de diciembre, por el que se aprueba el Reglamento General de Vehículos. (BOE núm. 38 publicado el 13/02/1999)
  • Real Decreto 1507/2008, de 12 de septiembre, por el que se aprueba el Reglamento del seguro obligatorio de responsabilidad civil en la circulación de vehículos a motor. (BOE núm. 222 publicado el 13/09/2008)
  • Real Decreto 818/2009, de 8 de mayo, por el que se aprueba el Reglamento General de Conductores. (BOE núm. 138 publicado el 08/06/2009)
  • Real Decreto Legislativo 8/2004, de 29 de octubre, por el que se aprueba el texto refundido de la Ley sobre responsabilidad civil y seguro en la circulación de vehículos a motor.
    (BOE núm. 267 publicado el 05/11/2004)
  • Real Decreto 369/2010, de 26 de marzo, por el que se modifica el Reglamento de las Escuelas Particulares de Conductores, aprobado por el Real Decreto 1295/2003, de 17 de octubre; el Reglamento General de Vehículos, aprobado por el Real Decreto 2822/1998, de 23 de diciembre; y el Real Decreto 2100/1976, de 10 de agosto, sobre fabricación, importación, venta y utilización de piezas, elementos o conjuntos para reparación de automóviles, para adaptar su contenido a la Ley 17/2009, de 23 de noviembre, sobre el libre acceso a las actividades de servicios y su ejercicio y a la Ley 25/2009, de 22 de diciembre, de modificación de diversas leyes para su adaptación a la Ley sobre el libre acceso a las actividades de servicios y su ejercicio. (BOE núm. 75 publicado el 27/03/2010)
  • Real Decreto 170/2010, de 19 de febrero, por el que se aprueba el Reglamento de centros de reconocimiento destinados a verificar las aptitudes psicofísicas de los conductores.
    (BOE núm. 54 publicado el 03/03/2010)
  • Real Decreto 2822/1998, de 23 de diciembre, por el que se aprueba el Reglamento General de Vehículos. (BOE núm. 22 publicado el 26/01/1999)
  • Orden de 15 de septiembre de 2000 por la que se modifica el anexo XVIII del Reglamento General de Vehículos, aprobado por Real Decreto 2822/1998, de 23 de diciembre. (BOE núm. 223 publicado el 16/09/2000)
  • Real Decreto 1428/2003, de 21 de noviembre, por el que se aprueba el Reglamento General de Circulación para la aplicación y desarrollo del texto articulado de la Ley sobre tráfico, circulación de vehículos a motor y seguridad vial, aprobado por el Real Decreto Legislativo 339/1990, de 2 de marzo. (BOE núm. 306 publicado el 23/12/2003)
  • Real Decreto 137/2000, de 4 de febrero, por el que se modifica el Reglamento de Procedimiento Sancionador en materia de Tráfico, Circulación de Vehículos a Motor y Seguridad Vial, aprobado por Real Decreto 320/1994, de 25 de febrero. (BOE núm. 42 publicado el 18/02/2000)
  • REAL DECRETO 318/2003, de 14 de marzo, por el que se modifica el Reglamento de procedimiento sancionador en materia de tráfico, circulación de vehículos a motor y seguridad vial, aprobado por Real Decreto 320/1994, de 25 de febrero, para adaptarlo a la Ley 19/2001, de 19 de diciembre, de reforma del texto articulado de la Ley sobre Tráfico, Circulación de Vehículos a Motor y Seguridad Vial, aprobado por Real Decreto Legislativo 339/1990, de 2 de marzo. (BOE núm. 82 publicado el 05/04/2003)
  • Real Decreto 320/1994, de 25 de febrero, por el que se aprueba el Reglamento de procedimiento sancionador en materia de tráfico, circulación de vehículos a motor y seguridad vial.
    (BOE núm. 95 publicado el 21/04/1994)

Acceso a la documentación y publicaciones

Texto

Se acusa recibo de su escrito, sobre el asunto arriba indicado, al que se acompaña un informe elaborado por el Servicio Catalán de Tráfico.

Consideraciones

En dicho documento se señala que se ha incorporado un manual de usuario en la página web del Servicio Catalán de Tráfico y en la página de la Oficina Virtual de Trámites, tanto en lengua catalana como en lengua castellana, para acceder a las notificaciones electrónicas con contraseña y para realizar una identificación del conductor con contraseña y con certificado digital.

El problema planteado por esta Institución, del que se le dio traslado en anteriores escritos, se refería a la dificultad de realizar el trámite de identificación del conductor del vehículo por medios electrónicos, dado que los requerimientos de identificación remiten a la página web www.gencat.cat/transit, página que está redactada exclusivamente en lengua catalana.

En relación con lo anterior, se solicitaba información sobre la posibilidad de modificar la referencia a dicha página web por otra (“oficina virtual de trámites” o “sede electrónica”) que facilitese el acceso a la información tanto en catalán como en castellano, lo que el Servicio Catalán de Tráfico no considera necesario, ni aún en el caso de los requerimientos que tengan que surtir efecto fuera del territorio de la Comunidad Autónoma.

El artículo 36 de la Ley 30/1992, de 26 de noviembre, de Régimen Jurídico de las Administraciones Públicas y del Procedimiento Administrativo Común, dispone que en los procedimientos tramitados por las administraciones de las comunidades autónomas y de las entidades locales, el uso de la lengua se ajustará a lo previsto en la legislación autonómica.

En el mismo artículo se establece que la Administración pública instructora deberá traducir al castellano los documentos, expedientes o partes de los mismos que deban surtir efecto fuera del territorio de la Comunidad Autónoma y los documentos dirigidos a los interesados que así lo soliciten expresamente.

En la Ley 1/1998, de 7 de enero, de Política Lingüística de la Generalidad de Cataluña, se establece que el catalán y el castellano, como lenguas oficiales, pueden ser utilizadas indistintamente por los ciudadanos y ciudadanas en todas las actividades públicas y privadas sin discriminación, y que los actos jurídicos realizados en cualquiera de las dos lenguas oficiales tienen, por lo que se refiere a la lengua, plena validez y eficacia.

Según lo dispuesto en la Ley 11/2007, de 22 de junio, de acceso electrónico a los Servicios Públicos, los ciudadanos tienen derecho a la igualdad en el acceso electrónico a los servicios de las administraciones públicas y a relacionarse con estas utilizando medios electrónicos para el ejercicio de los derechos previstos en el artículo 35 de la Ley 30/1992, de 26 de noviembre, de Régimen Jurídico de las Administraciones Públicas y del Procedimiento Administrativo Común, así como para obtener informaciones, realizar consultas y alegaciones, formular solicitudes, manifestar consentimiento, entablar pretensiones, efectuar pagos, realizar transacciones y oponerse a las resoluciones y actos administrativos.

Por todo cuanto antecede se adopta la siguiente:

Decisión

En el ejercicio de las responsabilidades que le confieren al Defensor del Pueblo los artículos 54 de la Constitución y 1 y 9 de la Ley Orgánica 3/1981, de 6 de abril de 1981, reguladora de esta Institución, y al amparo de lo dispuesto en el artículo 30.1 de aquella Ley Orgánica, formular a V.E. la siguiente:

RECOMENDACIÓN

“Sustituir la referencia a la página web www.gencat.cat/transit por otra que facilite el acceso a la información tanto en catalán como en castellano, en la notificación de los requerimientos del Servicio Catalán de Tráfico para identificar al conductor de un vehículo que presuntamente ha cometido una infracción”.

En la seguridad de que esta recomendación será objeto de atención por parte de ese Departamento, y a la espera de la preceptiva respuesta, le saluda muy atentamente,

Soledad Becerril

Defensora del Pueblo

Consultar multas de tráfico pendientes 2020 (TESTRA y BOE)

– Qué se publica aquí: se publican las sanciones de todas las administraciones públicas de los últimos 3 meses. Para ver las anteriores, tendrás que ir a ‘Mis anuncios de notificación’ (es necesario identificarse mediante el sistema [email protected]).
– Cómo recibir avisos para no tener que estar consultando el BOE: puedes registrarte en las ‘alertas de anuncios de notificación’ de Mi BOE y te llegará un aviso cuando se publique una notificación.
– Cómo buscar en el BOE: e introduce en el buscador (casilla ‘texto libre’) la matrícula o nombre completo* o DNI y en el desplegable de ‘materia’ elige la opción ‘Tráfico, circulación y seguridad vial’ (1). En caso de tener notificaciones pendientes te aparecerán en el listado. Pincha sobre la notificación (2) para verla.
* Nota: si introduces el nombre completo deberás ponerlo entre comillas (ejemplo: «GARCIA JIMENEZ RAMON») y hacer la búsqueda tanto con el nombre al final como con el nombre al principio, ya que puede haber sido publicado de ambas maneras (ejemplo: «GARCIA JIMENEZ RAMON» y «RAMON GARCIA JIMENEZ»). Para estar más seguro, busca también poniendo el número de la matrícula.

Consulta de multa de trânsito: Veja como abrir recurso e onde pagar

Você já deve ter se perguntado em algum momento “será que eu levei uma multa?”, talvez porque você estava em alta velocidade e não viu o radar ou só por garantia.

Mas também há caso de quem empresta o carro para alguém e de brinde ganha uma multa, e agora? Essas são situações complicadas, porque nenhum motorista quer pagar por infrações cometidas, seja por ele mesmo ou por terceiros.

Mas fique tranquilo, a gente te ajuda passo a passo a resolver a situação do veículo sem dor de cabeça.

Quanto custa multa de trânsito?

O valor das multa de trânsito varia conforme a infração e o agravante.

Veja abaixo o valor da multa para as infrações mais comuns e quantos pontos são aplicados na sua carteira:

Tabela de multas com preço de multas de trânsito

Como visto na imagem acima, a multa para motoristas que dirigirem embriagados pode chegar a quase 3 mil reais, recebendo 7 pontos, e com chances de suspensão da CNH, fique atento!
Transitar em dia de rodízio na cidade de São Paulo também pode acabar em multa, o valor é em torno de R$130,16. Então, nada de transitar por aí no dia da sua placa.

Confira quais são eles:

Rodízios de carro em São Paulo: placa e dia da semana

É importante lembrar que nem todas as multas são emitidas por um mesmo órgão: elas podem ser municipais, estaduais ou federais.

Com quantos pontos perde a Carteira de Motorista?

Acumulando mais de 20 pontos na carteira, você tem a sua carteira suspensa. No entanto, cometer infrações específicas já suspendem o direito de dirigir por si só.

Como conduzir um carro sob efeito de entorpecente ou deixar de prestar socorro à vítima de acidente em que o condutor estiver envolvido.

Valores de multas de trânsito

De acordo com o art. 258 do Código de Trânsito, esses são os valores de multa conforme cada tipo de infração:

  • Multa Leve: R$ 88,38.
  • Multa Média: R$ 130,16.
  • Multa Grave: R$ 195,23.
  • Multa Gravíssima: R$ 293,47.

Você pode conferir cada uma dessas infrações no site do Detran de São Paulo

Consultar multas: saiba como ver multas no Detran

Você pode consultar multas de trânsito através do site do Detran de cada estado. Além da placa do carro, podem ser solicitadas outras informações adicionais, como o Renavam do veículo ou o chassi.

Mas se você está se perguntando “como consultar multas de trânsito”, saiba que o processo é bem rápido e fácil. A consulta é gratuita e você pode acessar a lista dos links para o Detran de cada estado no nosso guia sobre CNH.

Além disso, você pode ir a uma unidade de atendimento do Detran do seu estado.

E para emitir o extrato de multas, geralmente você precisará somente do Certificado de Registro de Veículo (CRV), porém verifique os documentos necessários no site do Detran do seu estado.

Como recorrer multa de trânsito?

Você pode solicitar um recurso de multa sempre que tiver dúvidas que ela foi aplicada de forma injusta. No vídeo abaixo, o Doutor Multas explica quais situações você pode solicitar e como ser feito.

Após ser autuado, você recebe em até 60 dias na sua residência uma notificação formal da infração. Esse documento é necessário para defesa de multa, então mantenha sempre seu endereço atualizado com os órgãos de trânsito.

Caso você não receba a notificação por motivo de endereço incorreto, sua defesa pode ser invalidada e você pode ter que pagar uma outra multa, já que a atualização do endereço é obrigatória.

Assim que você receber o documento, você deve procurar o órgão responsável por sua multa e retirar um formulário de recurso. Esse órgão pode ser o Detran ou a agência municipal responsável pelo trânsito.

Você deve preencher o formulário de recurso de multa, explicando o motivo da multa e por que ela é injusta. O prazo para recorrer a multa é de 30 dias.

Feito isso, você deve levar as duas vias de seu recurso até o órgão emissor da multa de trânsito, junto com:

  • Cópia da sua carteira de identidade
  • Cópia de comprovante de residência
  • Cópia da sua carteira de habilitação
  • Cópia dos documentos do seu carro
  • Cópia da notificação da multa recebida
  • Caso existam ou sejam necessários, comprovantes que possam ajudar a contestar a infração, como recibos, notas, atestados, etc.

Agora, se a multa foi aplicada em um carro de empresa, a situação é diferente. Porque, como o veículo está registrado no nome de uma pessoa jurídica, não há nenhuma CNH para aplicação da penalidade. Você pode verificar no Detran do seu estado como funciona o recurso de multa para esse caso.

Como transferir pontos de multas de trânsito?

Mesmo que não seja você dirigindo, a multa sempre contará pontos para o proprietário do carro. Nesse caso, ao receber a autuação, preencha o formulário e insira os dados do real infrator que causou a multa.

Você também pode fazer indicar o motorista infrator pela internet no Detran do seu Estado. E lembre-se: a assinatura do condutor e do proprietário é necessária.

O que acontece depois da entrega dos documentos para recorrer a multa?

Sua defesa de multa será julgada por uma Junta Administrativa de Recursos de Infrações (JARI). Essa junta deve julgar seu recurso e responder em até 30 dias. Concordando ou não com suas alegações e confirmando ou eliminando sua multa.

Caso seu recurso seja negado, você receberá novamente a notificação da multa e deverá efetuar o pagamento para continuar com o recurso administrativo com órgãos superiores.

Em caso de multas de órgãos estaduais ou municipais, a segunda instância que você deve endereçar o seu recurso é o CETRAN, Conselho Estadual de Trânsito, do seu Estado.

Caso seja uma multa federal ou uma multa classificada como gravíssima, você deve endereçar seu recurso para o CONTRAN, o Conselho Nacional de Trânsito.

E se você não quer realizar o pagamento da multa, você pode optar por um recurso judicial através dos tribunais de pequenas causas. Para tanto, você precisará de um advogado, visto que se trata de um processo de justiça comum.

Se a sua multa for por uma infração leve ou média e caso você não tenha sido multado pelo mesmo motivo nos últimos 12 meses, é possível pedir ao Detran um formulário para converter sua multa em advertência e perda de pontos, de acordo com o artigo 267 do Código de Trânsito Brasileiro.

Você deve levar sua carteira de identidade e a notificação da multa. A notificação da advertência chegará por correio em 30 dias.

Como e onde pagar multas?

Caso você não recorra a multa dentro do prazo de 30 dias, você receberá em sua casa uma nova correspondência com o boleto bancário para pagamento, que deverá ser pago até a data do vencimento.

Você também pode imprimir o boleto de uma multa em aberto através do site do Detran do seu estado e pode verificar junto ao órgão responsável por sua multa se é permitido fazer o parcelamento.

Nem todos os órgãos aceitam o parcelamento de multas: na cidade de São Paulo, por exemplo, a Prefeitura aceita parcelamento, mas o Detran do estado não aceita.

Você também pode consultar multa gratuitamente pelo aplicativo de multas de trânsito e receber até 40% de desconto na quitação de suas infrações. O Sistema de Notificação Eletrônica (SNE) está disponível para Android ou iOS nas lojas App Store e Google Play.

O que você precisa saber sobre multas de trânsito?

As multas são uma forma de punir mas também servem para reforçar o exercício da cidadania.

A infração de trânsito não é necessariamente uma multa. Ela é um dos tipos de penalidades impostas a quase todas as infrações de trânsito. Quando existe a desobediência de uma lei do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), as multas são impostas aos infratores e aplicadas pelo Detran, Prefeitura, Polícia Rodoviária ou outro órgão com jurisdição sobre a via.

Alguns outros tipos de penalidade são: advertência por escrito, suspensão do direito de dirigir, curso de reciclagem, apreensão do veículo e cassação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou da Permissão para Dirigir (PPD). Todas essas sanções são impostas pela autoridade que organiza o trânsito e a multa é uma das formas de punir e reeducar o infrator.

Quando multado, o motorista recebe pontos em sua CNH e deve pagar um valor de acordo com a gravidade da infração cometida. Quanto mais grave, maior o número de pontos que o motorista recebe e mais caro é o preço da autuação.

Nova Lei de Multas


A fiscalização pretende evitar com que ocorra acidentes no trânsito

Em 2016, a lei federal de n° 13.281 alterou os valores das multas. Agora, o ponto de partida para definir o valor dela será a gravidade da infração cometida pelo motorista.

Antes, o valor era calculado com base na Unidade de Referência Fiscal (UFIR). Até 2001, o valor de uma unidade de UFIR era de R$1,06. Por exemplo, em uma multa leve 50 UFIR equivaliam a R$53,20 e uma gravíssima eram 180 UFIR que equivaliam R$191,54.

De 2001 até a aprovação da lei n° 13.281, não houve nenhum aumento nos valores da multa. Durante esse intervalo, os preços das multas deveriam ter sofrido ajuste gradual, porém não existiu essa correção.

A tabela com os novos valores foi atualizada de acordo com a inflação, o que justifica o aumento dos preços. Por tanto, a nova lei acaba com o valor referencial e impõe novos valores para as multas segundo critérios de gravidade das infrações definidas pelo órgão legislador.

Valor das multas

Todas as infrações de trânsito podem utilizar a multa como forma de punição ao motorista, que pode acumular em sua CNH até 20 pontos no período de um ano. De acordo com o artigo 258 do CTB, dependendo da gravidade, a multa poderá ser:

Gravidade Pontos Valores
Leve 3 R$88,38
Média 4 R$130,16
Grave 5 R$195,23
Gravíssima 7 R$293,47

Infrações agravadas

Segundo o primeiro artigo do CTB, o trânsito, em condições seguras, é um direito de todos. Por isso, algumas infrações gravíssimas podem ter o valor da multa multiplicado por 2, 3, 5, 10, 20 ou até 60.

Isso ocorre porque as infrações gravíssimas partem do pressuposto que o infrator pode ter colocado sua vida e de outros em risco extremo, o que vai contra o Art. 1° do CTB.

Para conhecer todas as infrações de trânsito e suas penalidades, acesse a página do DETRAN de seu estado.

Exemplos de infrações agravadas

Exemplo 1) Transitar em qualquer via em velocidade superior à máxima em mais de 50%.

O Art. 218° do CTB considera a infração gravíssima e a multa sofrerá multiplicação por 3 vezes. O valor, então, será de R$880,41. Os pontos que irão para a CNH do infrator continuarão os mesmos 7 pontos, e não serão multiplicados. Além disso, o motorista terá que arcar com outras penalidades como: a suspensão do direito de dirigir e o recolhimento da CNH.

Exemplo 2) Efetuar ultrapassagem pelo acostamento, em cruzamentos e passagens de nível.

O Art° 202 do CTB diz que a infração é gravíssima e a multa será multiplicada por 5 vezes. Ou seja, o valor será de R$1.467, 35. Os pontos não sofrerão aumento e a multa é a única medida administrativa de punição ao infrator.

Exemplo 3) Dirigir sob o efeito de álcool ou outra substância que gere dependência.

O Art. 165° do CTB avalia como infração gravíssima e a multa sofre multiplicação por 10 vezes. O valor da multa será de R$2.934,70. Serão 7 pontos na carteira do motorista infrator e ainda sofrerá penalidades como: recolhimento da CNH, retenção o veículo e suspensão do direito de dirigir por 12 meses. Vale dizer que se o motorista for reincidente nesta infração no período de 12 meses, os agentes de trânsito aplicarão o dobro da multa prevista.

Apresentação do condutor

De acordo com o artigo 257 do Código de Trânsito Brasileiro, o condutor é responsável pelas infrações cometidas na direção do veículo. Caso ele não seja identificado no momento da infração, o proprietário do veículo receberá em seu endereço a Notificação de Autuação. Ou seja, antes da multa, o dono do carro recebe uma carta de notificação informando sobre a infração de trânsito.

A partir do recebimento da Notificação de Autuação, o proprietário do veículo tem 15 dias para apresentar o motorista responsável pela infração. Caso ele não indique outra pessoa, o próprio dono do veículo será considerado o infrator.

Recursos de multas

Sempre é possível recorrer para a anulação da multa por meio de recurso, independentemente da gravidade da penalidade. O motorista tem direito a três recursos administrativos para tentar o cancelamento a multa. O primeiro é a defesa prévia, depois o recurso em primeira instância e, por último, o recurso em segunda instância.

Caso o recurso seja aprovado em qualquer uma das três etapas, a multa é revogada e o motorista acusado da infração não sofrerá multa ou qualquer outro tipo de penalidade.

É importante dizer que recurso de uma multa é direito do cidadão. Presente no Art° 5, inciso 55, da Constituição Federal diz que “aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes”.

Além disso, em infrações leves e médias, é possível que o motorista nem seja multado e receba apenas uma advertência por escrito. De acordo com o Art° 267 do CTB, essa é uma medida educativa que considera o histórico do condutor. Isso só acontece quando o motorista não for reincidente na mesma infração nos últimos 12 meses e possuir bom comportamento no trânsito.

A decisão e avaliação, de que a advertência é o suficiente, é feita pelo Órgão Autuador. Se o pedido for aceito, os pontos da infração não serão computados e o motorista não terá que pagar pela multa. Caso o pedido seja negado, o condutor terá três oportunidades para se defender.

Como recorrer a uma multa?

O primeiro passo é a Defesa Prévia, em que o motorista deve apresentar o recurso ao Órgão Autuador dentro dos primeiros 30 dias após o recebimento da Notificação de Autuação ou flagrante da infração. O órgão a quem o motorista precisa enviar o pedido constará na carta de notificação recebida.

Na defesa prévia, serão analisados os erros formais da infração, como nome ou placa errada do motorista. Se a defesa for aceita, a penalidade será revogada e a infração anulada.

Caso o recurso seja negado ou o proprietário do veículo não tenha feito a Defesa Prévia, a penalidade será aplicada e o Órgão Autuador expedirá uma Notificação de Imposição de Penalidade. Aqui constará um prazo para apresentar o recurso que será julgado por uma Junta Administrativa de Recursos de Infrações (JARI).

Na JARI, o infrator será julgado em 1° Instância até a data que consta na carta recebida. Caso o recurso tenha sido negado pela JARI, o infrator poderá ainda solicitar a terceira etapa da defesa e recorrer ao Conselho Estadual de Trânsito (CETRAN).

Tanto na JARI quanto no CETRAN será analisado o mérito da infração. Isto é, nesta fase os órgãos legisladores analisarão a história por trás da infração. É na JARI e no CETRAN que a grande maioria dos recursos de multas são ganhos.

Exemplo de recurso de multa ganho

Segundo o artigo 208 da CTB, avançar o sinal vermelho do semáforo ou o de parada obrigatória é infração gravíssima porque coloca em risco vidas no trânsito. A penalidade é multa de 7 pontos no valor de R$293,47.


O farol vermelho sinaliza parada obrigatória

Na madrugada, muitos motoristas não gostam de esperar o farol ficar verde. Por medo de serem assaltados ou sofrer qualquer outro tipo de violência, eles avançam o sinal e acabam sendo multados.

Entretanto, os motoristas autuados recorrem a esse tipo de multa e conseguem ganhar o processo de defesa.

Muitos motoristas recorrem desse tipo de multa e acabam ganhando o processo de defesa. Eles alegam que devido à falta de segurança durante a madrugada, sentem medo de sofrer assaltos. A JARI e o CETRAN consideram que esses motoristas não foram irresponsáveis e sim cuidadosos por avançarem no momento certo, não colocando nenhuma vida em risco. Por tanto, a infração e a penalidade são anuladas.

As multas de trânsito mais comuns


As multas por excesso de velocidade foram as mais cometidas, segundo registro do DENATRAN

De acordo com uma reportagem do Jornal do Carro do Estadão, feita com base em um registro nacional do Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), 35 milhões de infrações foram registradas entre janeiro e agosto de 2018.

Entre elas, a infração número um cometida foi a de transitar em velocidade superior à máxima permitida em até 20%, com recorde de 19.870.175 multas registradas no período avaliado. A infração tem gravidade média e 4 na CNH. E a multa tem valor de R$130,16.

A segunda infração mais cometida, nos oito primeiros meses de 2018, também é relacionada ao excesso de velocidade, mas agora é entre 20% e 50% acima do limite estabelecido na via. Foram 3.261.459 infrações registradas. Nesse caso, a infração é grave, de 5 pontos, e multa de R$195,23. Acima de 50% da velocidade permitida, a infração é gravíssima, de 7 pontos, e multa de R$1.467,35.

Na terceira colocação de infração mais cometida está a de transitar em local ou horário não permitido pela legislação. Foram 2.111.271 autuações e a multa é de gravidade média, de 4 pontos, com valor de R$130,16. Aqui se encaixam os motoristas paulistanos que se esqueceram do rodízio municipal e acabaram dirigindo seus carros no dia em que não podiam.

Avançar o sinal vermelho ou não parar na placa de parada obrigatória foi a quarta infração mais cometida nos primeiros oito meses de 2018, segundo dados do DENATRAN. Foram 2.093.178 infrações desse tipo, considerada gravíssima e multa de R$293,47.


Avançar o sinal vermelho é uma infração gravíssima porque coloca em risco a vida do motoristas e de outras pessoas

Em quinto lugar, a falta do uso do cinto de segurança foi responsável por 1.526.549 infrações. Infração grave que motoristas teimam a continuar levando. Eles recebem 5 pontos na CNH, e pagam multa de R$195,23.

Dá multa e você não sabia


Parar em guia rebaixada é uma infração de trânsito porque impede a entrada e saída de outro veículo

Recusar o teste do bafômetro

De acordo com o artigo 165 A do CTB, é infração recusar-se a ser submetido a teste, exame clínico, perícia ou outro procedimento que permita certificar a influência de álcool ou outra substância psicoativa. A infração é gravíssima, e a multa é multiplicada por 10 vezes.

O motorista leva 7 pontos em sua CNH e paga R$2.934,70. Além da multa, outras penalidades são: recolhimento da CNH, retenção do veículo e suspensão do direito de dirigir por 12 meses. Se o motorista for reincidente em menos de 12 meses, aplica-se o dobro do valor calculado.

Não reduzir ao ultrapassar ciclista


Ciclistas e pedestres devem ter preferência no trânsito

Está previsto em lei, no artigo 220 do CTB que, ao ultrapassar o ciclista, o condutor deve reduzir a velocidade. A infração é grave, de 5 pontos, e tem multa no valor de R$195,23.

Uso inadequado da buzina

A função principal da buzina é alertar e deve ser usada de forma breve. Porém, muitos motoristas a utilizam em qualquer momento, como bem querem, deixando o tráfego de veículos cada vez mais estressante.

Entretanto, o uso incorreto da buzina é uma infração segundo o artigo 227 do CTB. A buzina é permitida apenas das 6h00 às 22h00 em vias urbanas e seu uso com finalidade inadequada pode significar multa. A infração é leve, de 3 pontos e tem valor de R$88,38.

Parar sobre a faixa de pedestres

Quando um motorista para o veículo sobre a faixa de pedestres na mudança de sinal, ele pode ser autuado. De acordo com o artigo 183, parar sobre a zebra enquanto espera o farol abrir é considerado uma infração de gravidade média e a multa tem o valor de R$130,16.

Parar na contramão

Estacionar o veículo na contramão da via é proibido. Segundo o artigo 181, a infração de trânsito é de gravidade média e a multa tem valor de R$130,16.

Molhar o pedestre

De acordo com o artigo 171 do CTB, passar em uma poça d’água para molhar o pedestre é uma infração porque representa falta de civilidade e respeito pelo próximo. O motorista infrator leva 4 pontos em sua CNH e deve pagar multa de R$130,16

Parar de forma irregular em vagas de estacionamento rotativo

Estacionar o carro em vagas de estacionamento rotativo sem utilizar o cartão é considerado uma infração grave, de 5 pontos e tem multa no valor de R$195,23. Por isso, é importante o motorista estar atento com as placas de sinalização de Zona Azul do local. Entenda mais sobre o que é Zona Azul acessando nosso artigo sobre o principal sistema de estacionamento rotativo no país.

Para onde vai o dinheiro pago pelas multas?

Segundo o artigo 320 do CTB, “A receita arrecadada com a cobrança das multas de trânsito será aplicada, exclusivamente, em sinalização, engenharia de tráfego, de campo, policiamento, fiscalização e educação de trânsito”. Ou seja, o dinheiro das multas volta para o sociedade:

  • Repasse ao FUNSET: 5% do valor total arrecadado vai para o Fundo de Segurança e Educação do Trânsito;
  • Repasse ao DENATRAN: Taxa de administração do sistema;
  • Repasse de convênios;
  • Repasse ao RENAINF;
  • Devolução de multas;
  • Diárias: deslocamento diário dos agentes fiscalizadores de trânsito, por exemplo;
  • Uniformes e acessórios.

Pedestres e ciclistas podem ser multados?


Pedestres também precisam ficar atentos com as regras de trânsito para não causarem acidentes

De acordo com o artigo 254 do CTB, sim. Caso o pedestre desrespeite a lei de trânsito do local, ele será autuado com uma infração leve e multa de 50% do valor de uma multa dessa natureza. Ou seja, caso o pedestre desobedeça à sinalização de trânsito específica, ele será multado. Atravessar a rua fora da faixa de pedestres, por exemplo, pode custar R$44,19.

O artigo 255 do CTB, fala a respeito do ciclista, que também pode ser multado caso desrespeite as regras de trânsito. Ao andar de maneira agressiva na calçada, ele poderá ser autuado com uma multa média de R$130,16 e sua bicicleta será removida.

Na prática, o agente fiscalizador aborda o pedestre ou o ciclista, que deve se identificar com nome completo e documento de identificação. Quando possível, o agente de trânsito pode pedir também o número de CPF e o endereço do infrator. Todas essas informações servem para o fiscal preencher o auto de infração, que pode ser eletrônico.

As punições já estavam previstas no CTB desde 1997 mas nunca foram colocadas em prática por falta de regulamentação. Porém, em outubro de 2017, o DENATRAN definiu regras específicas para os pedestres e ciclistas. Mesmo sendo a parte mais frágil no trânsito, pedestres e ciclistas podem causar acidentes caso se comportem fora das regras.

Quer ficar por dentro das melhores dicas sobre como cuidar do seu veículo? Fique de olho nas atualizações do nosso blog e siga o Zul Digital no Facebook e no Instagram.

Conheça as dez multas mais caras do país

Muitos não sabem os valores médios das multas ou que em algumas infrações o preço a ser pago pode ser multiplicado. Por isso, hoje irei mostrar as dez multas mais caras previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Todo condutor sabe que praticar uma infração nas ruas, avenidas e estradas do país gera punições ao motorista.

Entretanto, muitos não sabem os valores médios das multas ou que em algumas infrações o preço a ser pago pode ser multiplicado. Por isso, hoje irei mostrar as dez multas mais caras previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Para explicar melhor, é necessário saber que cada tipo de infração possui suas respectivas multas e em algumas delas há o fator multiplicador. Todavia, elas sempre estão de acordo com a gravidade da situação.

No artigo nº 259 estão previstas as pontuações de cada infração:

«Art. 259: A cada infração cometida são computados os seguintes números de pontos:

I – gravíssima – sete pontos;

II – grave – cinco pontos;

III – média – quatro pontos;

IV – leve – três pontos.»

Esses são os valores médios das infrações de trânsito, porém, como foi dito anteriormente, cada uma possui seus sistemas de punições únicos, ou seja, o valor pode mudar de acordo com a gravidade da infração, o que é chamado de fator multiplicador.

O que é o fator multiplicador?

O fator multiplicador é aplicado em algumas infrações de trânsito gravíssimas. Essas penalidades, por serem mais perigosas do que as outras, possuem penalidades mais alarmantes do que os 7 pontos na CNH.

Esse fator faz com que o valor da multa que o condutor deve pagar seja maior por causa do nível da gravidade da infração.

As dez infrações mais caras

A seguir, veja a lista das dez multas mais caras e os artigos nos quais estão previstas tais punições:

1 – Uma das multas que está o topo das mais caras é o uso do veículo para interromper, restringir ou perturbar a circulação na via sem autorização do órgão ou entidade de trânsito. Ela custa entre R$ 5864,40 e R$ 5869,40.

2 – Todos conhecem a Lei Seca, certo? Dirigir sob influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa pode render multa de até R$ 2934,70.

3 – Para os motoristas mais exibicionistas, que gostam de disputar corridas ou os famosos “rachas”, a multa pode chegar a até R$ 2934,70.

4 – Motoristas dispostos a perturbar a circulação de outros veículos promovendo eventos e exibições na via sem a permissão das autoridades, seja participando ou como condutor, receberão multa de R$ 2934,70.

5 – As famosas ultrapassagens, além de extremamente perigosas, podem custar uma multa de R$ 2934,70.

6 – Acidentes de trânsito são sempre preocupantes, mas o envolvimento em um pode ser ainda pior quando o motorista abandona o local ou deixa de prestar socorro à vítima. Neste caso, a multa é de R$ 1467,35.

7 – Dirigir em velocidade superior à máxima permitida para o local em mais de 50% gera uma multa de R$ 880,41.

8 – Dirigir sem os devidos cuidados, desrespeitando os pedestres e ameaçando a integridade física dos que estejam atravessando a via pública ou dirigindo outros automóveis gera uma multa de R$ 880,41.

9 – Já para os motociclistas, conduzir sem usar o capacete de segurança com viseira ou óculos de proteção e vestuário de acordo com as normas e especificações aprovadas pelo CONTRAN e transportar passageiro e trazer perigo para quem está na garupa também sem os devidos objetos de proteção ou fora do assento localizado atrás do condutor implicam em uma multa de R$ 293,47.

10 – Ainda para os motoqueiros mais audaciosos, chamar atenção fazendo malabarismos ou equilibrando-se apenas em uma roda sem a sinalização com os faróis apagados e arriscar a vida de menores de idade transportando crianças de até sete anos ou que não tenham, nas circunstâncias, condições de cuidar de sua própria segurança, geram multa no mesmo valor do item anterior: R$ 293,47.

Entretanto, todo condutor possui o direito de se defender das infrações que lhe são aplicadas. São três as chances possíveis de apresentar sua defesa:

Defesa Prévia

Ao receber a carta informando o auto de infração, o motorista pode começar a se defender previamente. Essa é a etapa em que o motorista pode identificar alguma informação com a qual não concorde e que conste na correspondência e nas normas do CTB.

Essa etapa é a mais burocrática de todo o processo, pois é nela que você verifica se os dados da notificação estão todos certos.

Caso encontre alguma divergência nas informações do auto de infração, você pode cancelar a notificação e impedir a multa.

Defesa em 1ª instância

Se o pedido de defesa for recusado, você receberá, em sua residência, uma segunda notificação, aquela que vem junto com o boleto a ser pago.

A partir desse momento, é possível entrar com o segundo recurso, em que o infrator recorre à Junta Administrativa de Recursos de Infrações (JARI).

Nessa etapa, é preciso encaminhar, para a Junta, todas as provas e evidências técnicas que comprovem a sua inocência.

Defesa em 2ª instância

Entretanto, se não conseguiu o cancelamento da multa na 1ª instância, você ainda pode recorrer à 2º instância, última etapa da sua defesa.

É a partir desse momento que você vai apelar da decisão junto ao Conselho Estadual de Trânsito (CETRAN).

É sempre bom ir até a última oportunidade de apresentar sua defesa, pois cada instância possui uma comissão julgadora diferente.

Isso quer dizer que nem todas as comissões podem estar de acordo com as decisões tomadas, uma pode julgar o seu recurso não cabível, enquanto a outra pode considerar sua causa totalmente plausível.

Localizamos los radares que más multan en Cataluña

  • Aumentan un 37% las multas del Servei Català de Trànsit por exceso de velocidad.
  • Los radares fijos captaron el pasado año 1.033.180 infracciones: 427.671 en carreteras convencionales; 394.407 en autopistas libres y autovías; y 211.102 en autopistas de peaje.

El pasado año, 177 radares fijos del Servei Català de Trànsit (SCT) sancionaron a 1.033.180 conductores por sobrepasar los límites de velocidad establecidos en las carreteras catalanas, según revela un estudio realizado por AEA.

Cerca del 40% de los excesos se producen en autopistas libres y autovías

Aproximadamente, cerca del 40% de las infracciones se captaron en autopistas libres y autovías (394.407). En las carreteras convencionales se contabilizaron 427.671 infracciones y en las autopistas de peaje se formularon 211.102. “No obstante -según señala AEA en su informe- llama la atención el elevado número de denuncias formuladas por exceso de velocidad en las autopistas de peaje catalanas (211.102 ) que suponen el doble de las impuestas en el resto de autopistas de peaje de España.

Todos los radares pusieron más multas, excepto en Lleida

AEA destaca en su estudio que las multas por exceso de velocidad en Cataluña aumentaron un 37% en 2018, respecto de las impuestas en 2017, si bien la actividad sancionadora de los radares situados en Lleida disminuyó un 18,2%. En el resto se registraron aumentos significativos: un 90 % los de Barcelona; un 36,5% los de Tarragona y un 2,7% los de Girona.

Los radares más productivos están en Tarragona

No obstante, los radares situados en las carreteras tarraconenses fueron los más activos en 2018 teniendo en cuenta el número de sanciones impuestas por cada radar. Así, cada uno de los 36 radares de Tarragona impuso 8.371 multas frente a las 3.122 multas de cada uno de los 30 radares de Lleida. Los 37 cinemómetros de Girona sancionaron, cada uno, a 4.987 conductores y los 74 de Barcelona a 6.129.

¿Prevención o recaudación?

A la vista del importante número de sanciones impuestas por exceso de velocidad en Cataluña, la ubicación de los radares en autopistas y autovías y la repetición de los radares más activos, AEA considera que el Servei debería replantearse su política de radares, ya que no se está consiguiendo el objetivo de evitar los excesos de velocidad ni de reducir el número de víctimas. Según las últimas cifras de siniestralidad vial, en 2018 los fallecidos en las carreteras catalanas aumentaron un 15%, pasando de 283 a 326 víctimas mortales.

AEA localiza los radares fijos “más multones” de Cataluña

El informe de AEA también revela la ubicación de los 25 radares que más multas pusieron en las carreteras catalanas durante 2018, señalando al radar ubicado en Barcelona, en el Km. 215 de la C-31, como el más activo de la comunidad. Durante 2018 solo este radar impuso diariamente 339 sanciones, con un total anual de 124.006 multas.

Cómo pagar las multas de tráfico ante la DGT

Cuando el cartero nos avisa de que nos trae una carta certificado no suelen ser buenas noticias, y menos si se trata de una carta de la DGT. Muchas veces son multas de trafico, uno de los temores de los conductores. Y si te llega una multa hay que pagarla, pero también si te han multado y te dan la multa al momento o si el cartero no te localiza en casa. Si sospechas que te han multado pero la notificación no te llega puedes consultar el TESTRA para comprobarlo.

Qué es el TESTRA

Para todos aquellos que no sepáis que es el TESTRA os explicamos que son las siglas del Tablón Edictal de Sanciones de Tráfico, lo que no permite hacernos una idea de por donde van los tiros. Es un tablón electrónico donde la DGT y sus equivalentes autonómicos, como el Servei Català de Trànsit, publican las notificaciones de las sanciones de tráfico que no han podido entregar en mano al conductor sancionado. Se accede al TESRTA desde la web de la DGT, con o sin certificado.

Cómo pago las multas de la DGT

Ahora que ya sabes cómo saber si tienes multas llega la hora de conocer las diferentes formas que hay de pagarlas. Lo más habitual es pagarlas por internet, en la Jefatura Provincial de Tráfico o en las sucursales de La Caixa (de lunes a viernes, entre las 8:30 y las 14 horas); pero también puedes hacerlo por teléfono o en Correos. El telefono dgt para el pago de multas es el 060, y necesitarás tu tarjeta de crédito o débito; y si decides pagar la multa en Correos te cobrarán una tasa extra que establecen ellos mismos.

Pago de multas DGT por Internet

Si quieres ahorrarte las colas de Tráfico o en el banco lo más rápido es pagar por Internet. El como pagar las multas por internet no tiene mucho misterio, ya que en la propia web de la DGT encontramos el apartado de “Trámites y multas”, y el primer enlace que nos aparece es el dedicado al pago de multas. Si vas a pagar con tarjeta de crédito o débito tienes que elegir la opción “sin certificado digital ni DNI electrónico”, si quieres hacerlo de otra manera hay que hacerlo con certificado digital o e-DNI.

Debes identificarte con tu nombre y apellidos, además del DNI, pasaporte o permiso de residencia. También hay que indicar la fecha de la denuncia y el numero de expediente, que aparecen en la multa. En el importe de la multa hay que poner el total, sin reducciones -se aplican automáticamente-. Cuando hayas introducido todos estos datos solo tendrás que introducir los 16 dígitos de tu tarjeta, el CVV o número de seguridad y la fecha de caducidad.

Pago de multas DGT en Tráfico

En cada una de las 50 provincias de España, Ceuta y Melilla encontramos una Jefatura Provincial de Tráfico (en las más pobladas, como Madrid, Barcelona o Valencia, hay más de una) donde pagar la multa de forma presencial. Desde hace unos años Tráfico ya no acepta pagos en metálico, así que tendrás que acudir a la Jefatura con tu tarjeta de crédito o de débito. Antes de acudir no olvides pedir cita previa a través del número de teléfono de la DGT, el 060, o de su sede electrónica.

Pago de multas de Trànsit en Catalunya

La cosa cambia un poco cuando hablamos del pago de multas de Trànsit (Catalunya). Si la pagas por internet tienes que ir a la web de Trànsit, y tras rellenar un formulario similar al de la DGT nos llevará a la web de La Caixa, donde indicaremos el número de tarjeta y la fecha de caducidad. Las otras opciones son pagar en efectivo o tarjeta al agente que nos denuncia, en La Caixa y con tarjeta en las oficinas del Servei Territorial de Trànsit o por teléfono (el 012 desde Catalunya y el 902 400 012 desde el resto de España).

Plazos para pago de multas

Los plazos de pago se unificaron a 20 días naturales para beneficiarse del pronto pago, la reducción del 50% de la multa. En caso de superar esos 20 días tendrás que pagar el importe completo de la sanción. No olvides guardar el justificante por si tienes que demostrar o consultar el pago en el futuro. Esos 20 días también son el plazo que tenemos para presentar alegaciones, así que con el pronto pago no puedes reclamar.

Si también te preguntas que pasa si no pago una multa de tráfico, ya sea porque no quieres, porque no la compartes o porque no te ha llegado, se convertirán en deudas si se supera el periodo de pago voluntario. Entonces se encarecerá todavía más, ya que habrá que sumarle los intereses o recargos aunque es cierto que es la única posibilidad de fraccionar el pago de multas que nos da la DGT.

Artículos relacionados

Leave a Comment

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *